25/05/2020

Especialista do Vital Brazil diferencia vespas que estão preocupando internautas

Na última semana, o vídeo de uma vespa asiática atacando mortalmente um camundongo assustou a internet. Circulam informações de que o animal já foi avistado nos Estados Unidos e no Canadá, e que, inclusive, matou uma pessoa na Espanha. Será que é a mesma espécie?

Segundo Cláudio Maurício Souza, biólogo do Instituto Vital Brazil, existem três espécies de vespas com características parecidas, o que pode causar grande confusão, e cada uma delas é a protagonista de uma dessas histórias.

A Vespa velutina é a responsável por matar uma pessoa em Compostela, na Espanha, provavelmente por reações alérgicas. Vale lembrar que o veneno de vespas é altamente alergênico para muitos humanos.

Já a Vespa cabro é a espécie presente no vídeo da morte do ratinho que circulou pelas redes. Existe nos EUA desde o século XIX. “Embora seja surpreendente para a maioria das pessoas, vespas, aranhas e outros artrópodos de grande porte alimentam-se de pequenos vertebrados, como roedores e pássaros”, destaca o biólogo.

E, finalmente, a Vespa mandarinia, espécie avistada no final do ano passado nos EUA e no Canadá, local onde foi encontrada colmeia desse animal. Forte e predadora, pode ser fatal até para quem não é alérgico a esses insetos. “A Vespa mandarinia possui sete vezes mais veneno que as abelhas. Ele age, assim como o das abelhas, de maneira direta e indireta em vários órgãos do nosso corpo. Seu ferrão é capaz de ultrapassar as roupas especiais dos apicultores. Além disso, como gosta muito de atacar colmeias comerciais, representa um problema para essa atividade econômica e, por conseguinte, para a polinização”, alerta Cláudio.

Aqui no Brasil, muitos confundem a vespa asiática com uma espécie de abelha de grande tamanho, comum no Rio de Janeiro, que gosta bastante de flores amarelas, chamada Bombus terrestris – no popular, mamangá ou mamangava. Portanto, ainda não temos conhecimento de espécie de vespa tão perigosa em terras brasileiras, embora algumas possibilidades podem ser levantadas. Sua vinda poderia se dar através de algum container trazendo mercadorias de outros países; ou, ainda, pelo próprio trânsito do animal e seu estabelecimento de colmeias pelos locais onde passa, o que demoraria muitos anos para acontecer.

Sobre o Instituto - O Instituto Vital Brazil completou 100 anos em junho de 2019. É uma empresa de ciência e tecnologia do Governo do Estado do Rio de Janeiro ligado à Secretaria de Estado de Saúde. É um dos 21 laboratórios oficiais brasileiros e um dos quatro fornecedores de soros contra o veneno de animais peçonhentos para o Ministério da Saúde.